quinta-feira, 5 de junho de 2014

Projeto Livro Livre

O “Projeto Livro Livre” é uma iniciativa que propõe o compartilhamento, de forma livre e gratuita, de obras literárias já em domínio público ou que tenham a sua divulgação devidamente autorizada, especialmente o livro em seu formato Digital. 

No Brasil, segundo a Lei nº 9.610, no seu artigo 41, os direitos patrimoniais do autor perduram por setenta anos contados de 1° de janeiro do ano subsequente ao de seu falecimento. O mesmo se observa em Portugal. Segundo o Código dos Direitos de Autor e dos Direitos Conexos, em seu capítulo IV e artigo 31º, o direito de autor caduca, na falta de disposição especial, 70 anos após a morte do criador intelectual, mesmo que a obra só tenha sido publicada ou divulgada postumamente. 

O nosso Projeto, que tem por único e exclusivo objetivo colaborar em prol da divulgação do bom conhecimento na Internet, busca assim não violar nenhum direito autoral. Todavia, caso seja encontrado algum livro que, por alguma razão, esteja ferindo os direitos do autor, pedimos a gentileza que nos informe, a fim de que seja devidamente suprimido de nosso acervo. 

Esperamos um dia, quem sabe, que as leis que regem os direitos do autor sejam repensadas e reformuladas, tornando a proteção da propriedade intelectual uma ferramenta para promover o conhecimento, em vez de um temível inibidor ao livre acesso aos bens culturais. Assim esperamos!

Até lá, daremos nossa pequena contribuição para o desenvolvimento da educação e da cultura, mediante o compartilhamento livre e gratuito de obras sob domínio público, como estas que disponibilizamos gratuitamente em formato PDF.


É isso!


Iba Mendes
Iba@ibamendes.com

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Caiu o Ministério!

Brevíssimos comentários sobre a peça "Caiu o Ministério", de França Junior
Por: Iba Mendes (fevereiro/2012)

Ainda não havia lido França Junior, e muito pouco sabia a seu respeito. Foi sua comédia “Caiu o Ministério!” que despertou em mim o interesse por seu legado literário. A peça é o reflexo irônico da política no Brasil durante a segunda metade do século XIX, sob o regime imperial de D. Pedro II, quando este já apresentava visível sinal de decadência. Mas a peça não trata exclusivamente de política. Também se observa nela, por exemplo, a banalidade dos costumes: DONA BÁRBARA — É moda cá da sua terra. Andam as velhas por aí todas pintadas, frisadas, esticadas e arrebicadas, à espera dos rapazes pelas portas dos armarinhos e das confeitarias. Cruz, credo, Santa Bárbara! Só se benzendo a gente com a mão canhota. Olhe, lá em Minas nunca vi disto e estou com cinqüenta anos! A influência da língua francesa no linguajar da burguesia tupiniquim, em detrimento da prevalência do inglês, é outro aspecto bem realçado na obra, algo que fica muito bem tipificado na personagem Beatriz: BEATRIZ — O corpinho estava come ci, come cá. A saia é que estava ravissant! Era toda bouilloné, com fitas veill’or e inteiramente curta. / O que aqui apreciam é muita fita, muitas cores espantadas... enfim, tout ce qu’il y a de camelote. / Muito bem, muito bem, lá para que digamos não senhor. Diz monsiù, negligè, bordó, e outras que tais. Outro traço destacado na comédia refere-se à influência da Europa, sobretudo da Inglaterra, em privilégios na execução de obras aqui no Brasil. É o caso do capitalista inglês Mr. James, que propõe uma “revolução” no transporte urbano da cidade do Rio de Janeiro, com a criação de um trem cinófero, ou seja, puxado por cachorros:MR. JAMES — Idéia estar aqui completamente nova. Mim quer adota sistema cinófero. Quer dizer que trem sobe puxada por cachorras. Cachorra propriamente no puxa. Roda é oca. Cachorra fica dentro de roda. Ora, cachorra dentro de roda, no pode estar parada. Roda ganha impulsa, quanto mais cachorra mexe, mais o roda caminha! Mim precisa de força de cinqüenta cachorras por trem; mas deve muda cachorra em todas as viagens. / Mas eu aproveita todas as cachorras daqui e faz vir ainda muitas cachorras de Inglaterra. / Oh! senhorr, não tem a menor periga. Se cachorra estar danada, estar ainda melhor, porque faz mais esforça e trem tem mais velocidade. França Junior foi um crítico contumaz da facilidade dos ingleses em obter regalias do governo brasileiro. Isso fica bem explicitado nesta fala de Mr. James: MR. JAMES — Mim quer privilégia para introduzir minha sistema em Brasil, e estabelecer primeira linha em Corcovada, com todas as favores de lei de Brasil para empresa de caminha de ferro.

O “audacioso” projeto de Mr. James, de carros saindo do Cosme Velho para o Corcovado, puxados por cães, transforma-se numa verdadeira batalha política. Havia os que estavam do “lado dos cachorros” e os que se opunham aos bichos. Da mesma forma como ocorre hoje com os nossos políticos, havia compras de votos e promessas de vantagens para quem ficasse ou saísse de ambas facções:
FILOMENA — E o que se lucrou em consultar a Câmara? Em assanhar a oposição, e formar no seio do parlamento dois partidos, o dos cachorros e o dos que se batem, como leões, contra os cachorros.
BRITO — E que partidos!
FILOMENA — E lá se vai o privilégio, falto à palavra que dei ao inglês, e o casamento da menina, víspora!
BRITO — Mas o que queres que faça?
FILOMENA — Que envides todos os esforços para que o projeto passe! Hoje é a última discussão.
BRITO — E o último dia talvez do ministério.
FILOMENA — Quais são os deputados que votam contra?
BRITO — Uma infinidade.
FILOMENA — O Elói é cachorro?
BRITO — Sim, senhora.
FILOMENA — O Azambuja?
BRITO — Cachorro.
FILOMENA — O Pereira da Rocha?
BRITO — Este é de fila.
FILOMENA — O Vicente Coelho?
BRITO — Era cachorro; mas passou anteontem para o outro lado.
FILOMENA — E o Barbosa?
BRITO — Está assim, assim. Talvez passe hoje para cachorro.
FILOMENA — Ah! Que se as mulheres tivessem direitos políticos e pudessem representar o país...
BRITO — O que fazias?
FILOMENA — O privilégio havia de passar, custasse o que custasse. Eu é que devia estar no teu lugar, e tu no meu. És um mingau, não nasceste para a luta.
BRITO — Mas com a breca! Queres que faça questão de gabinete?
FILOMENA — Quero que faças tudo, contanto que o privilégio seja concedido.
BRITO (Resoluto.) — Pois bem; farei questão de gabinete, e assim fico livre mais depressa desta maldita túnica de Nessus.

A “batalha dos cachorros” culmina, enfim, com mais uma queda de Ministério. Pronto! Estava aberto o caminho para os novos aspirantes a ministros e novos jogos de interesses na política tupiniquim.

Simplesmente genial esta comédia de França Junior!

É isso!

sábado, 4 de fevereiro de 2012

“María de Todos los Demonios”

Brevíssimos apontamentos sobre a obra “Do amor e outros demônios”, de Gabriel García Márquez
Do amor e outros demônio”, como toda obra de Gabriel García Márquez, é o pleno império da sensibilidade e da imaginação. Mas não é só isso. A crítica aos valores que a sociedade convencionou e cristalizou como “padrão” também é outra característica que norteia este e outros romances desse maravilhoso autor colombiano. Sierva María de Todos los Ángeles, a menina “possuída”, muito além de uma figura de ficção, sintetiza o grito daqueles que, no decorrer da história, tornaram-se vítimas da estupidez humana, daqueles que suportaram a brutalidade dos que si diziam defensores de Deus e que deixaram suas marcas de sangue como mácula eterna para a posteridade.

A origem do livro, segundo o próprio Gabriel García Márquez, nasceu de uma reportagem que fizera em 1949, no antigo convento caribenho de Santa Clara, e tem como pano de fundo “a lenda de uma marquesinha de doze anos cuja cabeleira se arrastava como a cauda de um vestido de noiva, que morreu de raiva causada pela mordida de um cachorro, e que era venerada no Caribe por seus muitos milagres.” A marquesinha de que discorre o autor é Sierva María de Todos los Ángeles, personagem central do romance, filha do marquês de Casalduero.

Sierva Maria de Todos los Ángeles, que cresceu sob o convívio dos escravos e orixás, sucumbiu à desgraça após ter sido mordida por um cachorro cinzento com uma estrela na testa. Vítima da superstição popular e religiosa, a menina padeceu os piores tormentos, tornando-se prisioneira num Convento, onde experimentou a dor e o amor.

Entre muitos temas que podem ser extraídos da obra, a problemática da superstição e da crendice popular merece o devido destaque. O mundo de Sierva Maria de Todos los Ángeles, é o mundo dos demônios, dos anjos, das forças sobrenaturais, dos mistérios, dos complôs espirituais e das guerras entre as potestades do bem e do mal. Isso fica bem realçado, por exemplo, nesta passagem, quando o pai busca auxílio da crendice popular para curar sua filha:

O marquês não se confiou a Deus, mas a tudo o que lhe desse alguma esperança. Na cidade havia outros três médicos formados, seis boticários, onze barbeiros sangradores e um sem-número de curandeiros e mestres em feitiçaria, embora nos últimos cinqüenta anos a Inquisição tivesse condenado mil e trezentos a diferentes penas e queimado sete na fogueira. Um jovem médico de Salamanca abriu a ferida fechada de Sierva María e pôs-lhe umas cataplasmas cáusticas para extrair os humores rançosos. Outro tentou a mesma coisa com sanguessugas nas costas. Um barbeiro sangrador lavou a ferida com a urina dela própria e outro a fez bebê-la. Ao fim de duas semanas ela havia suportado dois banhos de ervas e duas lavagens emolientes por dia, e levaramna à beira da agonia com cozimentos de antimônio natural e outros filtros mortais.A febre cedeu, mas ninguém ousou proclamar que a raiva estivesse conjurada. Sierva Maria sentia-se morrer. A princípio resistia com o orgulho intacto, mas após duas semanas sem nenhum resultado tinha uma úlcera de fogo no tornozelo, a pele escaldada por sinapismos e vesicatórios, e o estômago em carne viva. Passara por tudo: vertigens, convulsões, espasmos, delírios, solturas de ventre e de bexiga, e se retorcia no chão uivando de dor e de fúria. Até os curandeiros mais afoitos a abandonaram à própria sorte, convencidos de que estava louca ou possuída pelos demônios. O marquês já tinha perdido todas as esperanças, quando apareceu Sagunta com a receita de Santo Huberto.Foi o final. Sagunta se desfez de seus lençóis e se besuntou com ungüentos de índios para esfregar seu corpo no da menina nua. Esta resistiu de pés e mãos apesar de sua fraqueza extrema, e Sagunta a submeteu à força. Bernarda ouviu de seu quarto a gritaria demente. Correu para ver o que acontecia e encontrou Sierva María esperneando no chão, e Sagunta em cima dela, envolvida na maré de cobre da cabeleira e ululando a oração de Santo Huberto. Chicoteou ambas com as cordas da rede. Primeiro no chão, as duas encolhidas pela surpresa, e depois perseguindo-as pelos cantos até que lhe faltou fôlego”.

O imaginário religioso exerce força preponderante na vida das personagens, ainda mais por se estar no contexto histórico da Inquisição. A figura do demônio, como aquele que vive a atormentar as vidas dos homens que desobedecem a Deus, é essencial no enredo do romance. O comportamento “estranho” da garota não haveria de ser outra coisa senão a atuação do príncipe das trevas:

- Eu queria agüentar minha desgraça em silêncio - disse o marquês.- Pois muito mal o conseguiste - disse o bispo. - É um segredo público que tua pobre filha rola pelo chão, tomada de convulsões obscenas e ladrando em gíria de idólatras. Não são sintomas inequívocos de uma possessão demoníaca?O marquês estava espantado.- Que quer dizer?- Que entre as numerosas espertezas do demônio é muito freqüente a de assumir a aparência de uma doença imunda para se introduzir num corpo inocente - disse. - E uma vez dentro, não há força humana que o faça sair.
O comportamento de Sierva Maria de Todos los Ángeles, suas febres e delírios, não seria outra coisa senão a possessão maligna em seu corpo:

A abadessa brandiu o crucifixo como uma arma contra Sierva María.- Vade retro - gritou.Os criados recuaram, deixando a menina sozinha em seu espaço, com a vista fixa e em guarda.- Aborto de Satanás - gritou a abadessa. Ficaste invisível para nos confundir.Não conseguiram que dissesse uma palavra. Uma noviça quis levá-la pela mão, mas a abadessa a impediu, apavorada:- Não a toques - gritou. E a seguir, para todos: - Que ninguém a toque.Acabaram por levá-la à força, esperneando e distribuindo no ar dentadas de cachorro, até a última cela do Pavilhão da prisão. No caminho, perceberam que ela estava suja de seus próprios excrementos, e a lavaram a baldes de água no estábulo.
O imaginário religioso povoava as mentes que atribuíam à menina façanhas espetaculares e demoníacas, como voar com asas transparentes:

Daí por diante não aconteceu nada que não fosse atribuído ao malefício de Sierva María. Várias noviças declararam para as atas que ela voava com umas asas transparentes que emitiam um zumbido fantástico. Foram necessários dois dias e um piquete de escravos para encurralar o gado e pastorear as abelhas de volta às colméias, e pôr a casaem ordem. Correram rumores de que os porcos estavam envenenados, de que as águas provocavam visões premonitórias, de que uma das galinhas espantadas saiu voando por cima dos telhados até desaparecer no horizonte do mar. Mas os terrores das clarissas eram contraditórios, pois apesar dos espaventos da abadessa, e do pavor de uma ou outra, a cela de Sierva Mana se transformou no centro da curiosidade de todas. / No convento, ninguém mais pôs em dúvida que Sierva María tivesse poderes suficientes para alterar as leis das migrações. / Sierva María foi esquecida em meio à abrasão da cal viva, aos vapores do alcatrão, ao suplício das marteladas e às blasfêmias tonitruantes das pessoas de todo tipo que invadiram a casa até a clausura. Um andaime caiu com um estrépito colossal, um pedreiro morreu e sete outros operários ficaram feridos. A abadessa atribuiu o desastre aos fados maléficos de Sierva María e aproveitou a nova oportunidade para insistir que a mandassem para outro convento enquanto transcorria o jubileu.

Fazia-se necessário exorcizar o demônio, demolir as potestades das trevas. Para isso, incumbiu-se o Padre Cayetano Delaura:

Cayetano Delaura foi no dia seguinte ao convento de Santa Clara. No hábito de lã crua que vestia apesar do calor, levava o acéter de água benta e um estojo com os óleos acramentais, primeiras armas na guerra contra o demônio.

Todavia, este mesmo padre, que já havia tido um amistoso diálogo com o descrente Abrenuncio, fica surpreendido quando contempla o semblante místico da Sierva Maria, num ambiente aterrorizante:

- Mesmo que não estivesse possuída por nenhum demônio - disse -,esta pobre criança tem aqui o ambiente mais propício para ficar possuída.

E o padre, enfim, apaixona-se por Sierva Maria, caindo, em conseqüência disso, no braço do Santo Ofício, porém, fora poupado da morte em praça pública, cumprindo sua pena num hospital “onde viveu muitos anos em promiscuidade com os doentes, comendo e dormindo com eles no chão e lavando-se em suas águas usadas, mas não conseguiu, como desejava, contrair lepra”.

Sierva Maria de Todos los Ángeles, por sua vez, desamparada por Deus, pelos homens e pelo homem de sua vida, morreu numa cama com os olhos fulgurantes e pele de recém-nascida: “Os fios de cabelo brotavam-lhe como borbulhas no crânio raspado, e era possível vê-los crescer”.

Outra figura que merece destaque no romance é o ateu Abrenuncio. Embora vivendo os tempos da Inquisição, mantinha uma postura crítica diante dos dogmas, colecionando seus “livros proibidos”:

- Não há muita diferença em relação - feitiçarias dos negros - disse. - É pior ainda, Porque os negros não vão além de sacrificar galos, ao passo que o Santo Ofício se compraz em esquartejar inocentes no potro ou assá-los vivos num espetáculo público.

É isso!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Kadish por um adulto traumatizado


Breves comentários sobre a obra: “Kadish por uma criança não nascida”, de Imre Kertész

Embora paradoxal, uma vez que o Kadish só pode ser recitado por adultos, o título “Kadish por uma criança não nascida”, simbolicamente, é deveras pertinente quanto ao conteúdo da obra. Como se sabe, além de ser uma oração feita pelos cultuantes, após a morte de um parente, o Kadish assinala ainda o fim de uma seção litúrgica recitada pelo Chazan. Em “Kadish por uma criança não nascida”, o autor representa, de certa forma, a figura do chazan, o qual “recita”, de maneira extremamente negativa, suas experiências de judeu no período do nazismo. O paradoxal é que sua “liturgia” não tem fim; e, seu “luto”, ao contrário do que ensina a tradição judaica, a qual não permite a recitação do Kadish durante os doze meses que procede a morte do cultuado, na obra, o “luto” do autor é constante e, diferentemente desta mesma tradição, o seu “Kadish é “recitado” em vida: sua vida é sua morte.

O texto faz transparecer a idéia de uma verdadeira liturgia. Observa-se, tal qual nas rezas, a repetição constante das palavras. Dos poucos parágrafos existentes, a maior parte são marcados pela repetição do NÃO!, palavra esta que sintetiza o conteúdo da obra. Em todo o texto, percebe-se, nitidamente, a presença de palavras ou expressões de sentidos negativos e paradoxais. Por exemplo: doença insidiosa, paranóia moralizante, compulsão discursiva, esclerose dos sentimentos, regato fétido, céu de cores sujas, sonhos medonhos, sorriso cínico-feliz, infame existência, nostalgia, melancolia, sentimento de culpa, cadáver, espetáculo assombroso, atmosfera escura e densa de horror, perversidade repugnante, existência desagradável e outras inumeráveis citações de teor semelhante. E tudo isto torna a obra bastante verossímil, visto que é um reflexo da própria existência do autor: o ambiente em que foi criado, a educação que lhe foi dada, e mais acentuadamente, a experiência de ser judeu, portanto, um estranho na sua própria terra: “mais tarde, quando tornou-se cada vez mais importante o fato de eu ser também judeu, pois tornou-se lentamente evidente que, em geral, isso era punido com a morte, tive que provavelmente ver apenas esse fato estranho e incompreensível – isto é, que eu sou judeu – em sua necessária particularidade ou pelo menos sob outra visada, subitamente me flagrei por saber exatamente o que sou: uma mulher careca com robe vermelho em frente ao espelho” (p. 28).

Embora fosse um judeu totalmente assimilado, Kertész não foi poupado da perseguição voraz do nazismo. Este fato, aparentemente simples, isto é, o fato de ser um judeu, tornou-se a causa de todas as suas desgraças. Tudo nele foi marcado por esta traumática experiência: seu trabalho: “meu trabalho, que na verdade nada mais é que um cavar, o prosseguimento do cavar naquela cova que outros começaram a cavar no ar para mim” (p. 35) (...) “pois minha pá é a caneta esferográfica” (p. 37); seu fracasso matrimonial: “E aí ela ainda disse, rápida e sobriamente, como se se tratasse de uma notícia desagradável que, porém, perde seu gosto desagradável imediatamente após me ser comunicada, sim, não teria sentido esconder, ela ‘teria alguém’, alguém com quem ela acredita que se casará. E ele não seria, disse ela, judeu” (p. 127); sua vida, enfim.

A obra “Kadish por uma criança não nascida” foi, portanto, como o próprio autor afirma, o último grande esforço que ele teve em demonstrar sua vida amargurada e decrépita, vida esta que permaneceria guiada pela culpa e estranheza de ser apenas um judeu: “a demonstrei para então me colocar a caminho, com a trouxa dessa vida nas mãos elevadas, e afundar nas negras águas de um rio escuro, oh Deus! deixe-me afundar... Amém. Este amém encerra a melancólica “liturgia” que, embora “recitada” por só homem, reflete a angústia de toda uma geração.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Fuga para a realidade

Brevíssimos comentários sobre a oba: “Ver: Amor”, de David Grossman

Bruno devia tornar-se um salmão por inteiro, para conhecer a vida” (pg. 141).

A água como elemento de renovação, inovação, mudança ou metamorfose, em Ver: Amor, não se restringe ao caso específico de Bruno: “No profundo porto de Dantzig, ele desceu à água pela primeira vez” (pg. 87). Já no início do livro (primeira parte: Momik), na mudança advinda com a chegada do velho Anshel, este é visto pelo neto exatamente como um peixe: “Olhou para dentro e viu o homem mais velho do mundo nadando lá dentro, como, digamos, um peixe no aquário”(pg. 2). O próprio Momik, para escrever a história de Bruno, teve de experimentar os mistérios e encantos das águas: “Ouça, em minha quarta manhã em Narvia desci pela primeira vez ao mar... A história que escrevi exigia de mim descer ao mar e aguardar ali” (pg.112). Aliás, a idéia da metamorfose como paradigma para se conhecer a vida em sua essência plena, no livro, parece se confirmar pela constante menção do nome de Kafka, autor de Metamorfose: “Mas teve que ficar diante da própria fonte para saber com certeza: também Munch. Como Kafka...” (p.90). / “E Munch assinou. E Kafka assinou...”(pg. 91). / “Escreveram que ele é um dos grandes escritores do nosso século; que se equipara às vezes a Kafka...” (pg.98). Certamente a influência kafkiana se faz presente em Grossman.

A idéia da metamorfose aparece, pois, como elemento imprescindível para se ultrapassar os limites da normalidade, do comum, do banal, do cotidiano marcado pelo caos e pela ausência de valores éticos: “E o pai de Bruno, sonhador com a cabeça de profeta, que se transformou num grande caranguejo de tantos sonhos para tatear os limites da existência humana... desviar-se para as regiões duvidosas e ambíguas, às quais Bruno denomina as regiões da grande heresia” (pg. 100).

Sim, fugir ou isolar-se do mundo real, para atingir um mundo, não propriamente irreal, mas um mundo sem os limites impostos pela áurea dominante; um mundo no qual a vida possa ser vivida e entendida de forma mais profunda. A transformação de Bruno em peixe representa, pois, uma espécie de contestação à cadeia de força imposta pela realidade caótica em que se encontra o mundo: “E veio a última guerra, e Bruno começou a pensar que havia errado: porque as pessoa começaram a substituir a sua iniquidade, e verificou-se que por trás das barracas dos negociantes astutos estendem-se mais mercados profundos e escuros, onde o homem jamais pôs os pés. Ruas corrompidas cujas ruínas e restos de paredes dos dois lados parecem fileiras de dentes de crocodilo... Por isso Bruno fugiu (pg. 91). Tal qual Mirabeau ou Thotreau, foi preciso a Bruno que largasse o seu “lugar comum” para alcançar uma realidade em que o limite se restringisse apenas à cessação da imaginação: “Bruno pensa (talvez, no poeta Mirabeau que, em protesto contra o governo, tornou-se assaltante. Ou estaria, talvez, pensando no filósofo Thoreau, que abandonou sua cidade e seu trabalho e seu sistema de vida e as criaturas humanas e retirou-se para viver em solidão absoluta na floresta Walden?” (pg. 94). Para compreender o que está aquém do óbvio ou do palpável, fez-se mister que Bruno deixasse para trás aqueles que, tais quais salmões no mar, viviam a mercê dos grandes e prepotentes tubarões do mundo real: “Como é ignóbil o destino daqueles que Bruno abandonou na praia!” (pg. 96).

Metaforicamente Bruno não morreu. Ele apenas fugiu: “E certa noite, algumas semanas depois, despertei de repente e soube que Bruno não foi assassinado. Não foi morto no ano de 42 no gueto de Drohobitz, mas fugiu de lá. E digo ‘fugiu’ não no sentido comum, limitado da palavra, mas suponhamos, como Bruno diria ‘fugiu’. Como diria “aposentado”, e com isto referia-se ao fato de que já havia cruzado as fronteiras permitidas e conhecidas, ao fato que e levara ao âmbito magnético de uma outra dimensão de experiência... / Advinho muito bem esta angústia, este sufoco dele, de escritor exilado, ‘exilado’ num sentido muito específico, muito amplo...” (pg. 100). / “E diante das ondas, eu soube que tinha razão. Que Bruno não foi assassinado. Que tinha escapado. E digo ‘escapado’ não no sentido habitual da palavra, mas como Bruno e eu a dizíamos, e nos referíamos com isto a alguém que se conduziu por esforço e decisão ao campo magnético de uma dife...” (pg. 111). / “Ele é daqueles que chamam eles de judeus porcausaque falta pra ele um tiquinho no tubinho dele e como quedondequele nascdeu lá é Drohobitz e queeleé um serumano que escreve muito e ele agora foge de algo...” (pg. 122).

Contudo, não se trata da fuga no sentido romântico da palavra, em que para não encarar a realidade, o escritor parte para paradas amenas, para lugares nos quais a vida possa ser vivida numa dimensão maravilhosamente espetacular. Em Ver: Amor, a fuga é apenas um meio de se atingir o real que se esconde por trás de um cotidiano materialista em que somente o óbvio é realçado e valorizado. A vida vista do mar é bem mais azul.

---
Referência bibliografia:
Ver: Amor”, de David Grossman. Tradução: Nancy Rosenchan. Editora Nova Fronteira. São Paulo, 1993.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Dr. Erasmus Darwin, o médico e o monstro



Lendo recentemente o famoso livro de Mary Shelley, “Frankenstein ou o Moderno Prometeu”, dei por conta do nome do Dr. Erasmus Darwin (avô do naturalista inglês Charles Darwin), o qual juntamente com outros cientistas da época serviram como fonte de inspiração à autora no processo de criação deste clássico da literatura universal, considerado o maior romance de terror de todos os tempos.

Para quem não sabe, Erasmus Darwin foi um dos estudiosos europeus que aderiram à crença no Galvanismo, uma teoria fundada no final do século XVIII por Luigi Galvani, médico italiano e professor de Anatomia da Universidade de Bolonha. Os adeptos desta bizarra teoria realizavam experimentos com estímulos elétricos em animais e cadáveres com o intuito de curar enfermidades e até animar defuntos.
O nome do avô de Charles Darwin aparece já no início do livro, quando a autora passa a explicar a origem da história e os motivos que lhe serviram de estímulo na elaboração da obra:

“Muitas e longas eram as conversas entre Lord Byron e Shelley às quais eu assistia como ouvinte devota, mas silenciosa. Durante uma delas, discutiu-se sobre várias doutrinas filosóficas e, entre outras, sobre a natureza do princípio da vida, e se havia possibilidade de ele ser descoberto e comunicado a algo. Eles falavam das experiências do Dr. Darwin (não me refiro ao que o doutor realmente fez ou disse que fez, mas no meu próprio interesse, no que se falava que ele teria feito), que havia guardado um pedacinho de vidro até que, por algum meio extraordinário, ele começou a se mover voluntariamente. Afinal de contas, não era assim que a vida devia ser criada. Talvez se pudesse reanimar um cadáver; as correntes galvânicas tinham dado sinal disso; talvez se pudesse fabricar as partes componentes de uma criatura, juntá-las e animá-las com o calor da vida”.

Mais adiante, no Prefácio do livro, Shelley cita mais uma vez o nome do Dr. Erasmus Darwin, o qual segundo a autora lhe dava a entender que o fato sobre o qual se fundamentava a ficção não seria algo impossível de acontecer:
“O doutor Darwin e alguns fisiologistas alemães têm dado a entender que o fato sobre o qual se fundamenta esta ficção não é impossível de acontecer. Não se deve pensar que eu alimente a menor crença em tal imaginação; no entanto, admitindo-a como a base de obra de fantasia, eu não me considerei como apenas tecendo uma série de terrores sobrenaturais. O fato do qual depende o interesse da história está isento das desvantagens de um simples conto de espectros ou encantamento. Foi sugerido pela originalidade das situações que ele desenvolve e, conquanto impossível como um fato físico, proporciona um ponto de vista à imaginação, para o delineamento das paixões humanas mais compreensivo e imperioso do que podem oferecer quaisquer umas das relações comuns dos acontecimentos reais.”

Já no enredo da história, o Dr. Victor Frankenstein, aquele que arquitetou e consumou a criação do terrível monstro, quando na tentativa de criar a versão feminina desta criatura, faz menção de umas tais descobertas realizadas por cientistas da Inglaterra, país onde nasceu e viveu o Dr. Darwin, e para onde ele planejava viajar na busca de novos conhecimentos para seu novo empreendimento científico:
“A criação de uma fêmea significava a volta ao meu trabalho nefando de outrora, meses e meses de estudos e pesquisas laboriosas. Ouvira falar de umas descobertas que tinham sido feitas por um cientista inglês, cujo conhecimento era importante para o meu êxito, e por várias vezes cogitei de acertar com meu pai minha viagem à Inglaterra, sem, naturalmente, dar-lhe a conhecer o meu real objetivo.” / “Lembrei-me também da necessidade de viajar à Inglaterra ou manter uma correspondência, certamente longa, com os cientistas daquele país, cujas recentes descobertas eu considerava de utilidade indispensável ao empreendimento que tinha de realizar. Esse, porém, seria um meio por demais demorado e insatisfatório de obter as informações que desejava.”

O avô de Charles Darwin, que era membro de uma tal Sociedade Lunar (“Lunar Society of Birmingham”), é também considerado um dos fundadores do evolucionismo, ao lado de Spencer e outros nomes. Esta sociedade tinha por finalidade buscar novos conhecimentos que combatessem o “obscurantismo religioso”. Paradoxalmente, porém, o Dr. Darwin fez do seu naturalismo extremo sua própria religião, chegando mesmo a afirmar que as plantas tinham alma e por isso eram capazes de expressar emoções. Talvez isso explique em partes porque seu famoso neto, Charles Darwin, o ignorou quase que completamente em suas obras.

É isso!

sábado, 19 de novembro de 2011

Graciliano Ramos: a angústia de "Angústia"

Brevíssimos e simplórios apontamentos sobre a obra "Angústia", de Graciliano Ramos
Por: Iba Mendes (novembro de 2011)

A aflição de Luis da Silva, personagem central do romance “Angústia”, de Graciliano Ramos, é parte intrínseca do emaranhado lingüístico de que se utiliza o autor para tornar a obra aquilo que sintetiza o seu título. A frustração, a insatisfação e o sentimento de inutilidade do funcionário público Luís, sua impossibilidade de lutar contra uma rotina que consome seu tempo e sua existência, são assim destrinchados nas palavras que este emprega para entender o mundo e aqueles que o cercam. “A minha linguagem”, diz ele: “é baixa, acanalhada. Às vezes sapeco palavrões obscenos. Não os adoto escrevendo por falta de hábito e porque os jornais não os publicariam, mas é a minha maneira ordinária de falar quando não estou na presença dos chefes”. É com essa linguagem que ele constrói sua realidade solitária, e é com ela que sua angústia e frustração existencial sobressaem do início ao fim do livro. Palavras como carne, sangue, entranhas, ventre, tripas e outras correlatas, tornam sua angústia à própria angústia de quem o ler:

Parecia-me que aquilo estava chiando dentro de mim, que a minha carne se assava e chiava”.

O que eu desejava era apertar o pescoço do homem calvo e moreno, apertá-lo até que ele enrijasse e esfriasse. Lutaria e estrobucharia a princípio, depois seriam apenas convulsões, estremecimentos. Os meus dedos continuariam crispados, penetrando a carne que se imobilizaria, em silêncio.”

Enquanto ele batia na testa, avançava e recuava, eu ia pouco a pouco distinguindo uma figura nua e preta estirada nas pedras da rua. O ventre era uma pasta escura de carne retalhada; os membros, torcidos na agonia, estavam cobertos de buracos que esguichavam sangue; a boca, sem beiços, mostrava dentes acavalados e vermelhos, numa careta medonha; os olhos esbugalhados tornavam-se vermelhos. O negro arquejava. Corria sangue entre as frestas dos parallepípedos e empoçava na sarjeta. A poça crescia, em pouco tempo transformava-se num regato espumoso e vermelho.

Necessário que ele morresse. Julião Tavares cortado em pedaços, como o moleque da história que seu Ramalho contava. Logo me aborrecia da tortura comprida. Nojo, medo, horror ao sangue. Julião Tavares morreria violentamente e sem derramar sangue. Em sonhos ou acordado, vi-o roxo, os olhos esbugalhados a língua fora da boca. Pensei muitas vezes nos bíceps do homem acaboclado que ensinava capueira ao rapaz, no alto do Farol. Por uma aberração, imaginava que aqueles músculos eram meus”.

Era o tipo da mulher de subúrbio mesquinho, que varre a casa, lava as panelas e prega os botões com as dores do parto, pare sozinha e se levanta três dias depois, vai tratar da vida. Vida infeliz, vida porca. O homem para um lado, ela para outro, arrastando a filha pequena, a barriga deformada, estazando-se, agüentando pancadas nos olhos. Talvez estivesse na véspera de ter menino, talvez estivesse no dia, talvez já sentisse as entranhas se contraírem. Rebolar-se-ia dentro de algumas horas na cama dura, a carne cansada se rasgaria, os dentes morderiam as cobertas remendadaz.

Parecia que Marina queria esfolar-se. Imaginava-a em carne viva, toda vermelha. Imaginava-a branquinha, coberta de uma pasta de sabão que se rachava, os cabelos alvos, como uma velha Essas duas imagens me davam muito prazer. Queria que aparecesse a Julião Tavares assim encarnada e pingando sangue, ou encarquilhada e decrépita, os pêlos do ventre como um capulho de algodão. A torneira se abria. Lá estava Marina outra vez nova e fresca, enchendo a boca e atirando bochechos nas paredes, resfolegando, sapecando frases desconexas.”

Os músculos de mestre Domingos eram do velho Trajano. Os músculos e o ventre de Quitéria também. Sinha Germana concebia e paria no couro de boi, a que o atrito e a velhice tinham levado o cabelo. Quitéria engendrava filhos no chão, debaixo das catingueiras, atrás do curral, e despejava-os na esteira da Isidora, em partos difíceis.”

Com um pouco de esforço podia admitir-se que fosse redondo, mais ou menos redondo, comparável a uma cabeça chata feita de curva, caprichosas que se torciam como tripas. Pensei em circunvoluções cerebrais, levantei-me e fui beber um gole de aguardente.

Na escuridão do cárcere, depois que a chave tilintava na fechadura da grade, o juiz da cadeia recebia os duzentos réis do torno e desfazia os laços que deslocavam os ossos, entravam na carne do homem. Um ladrão de cavalos seria maltratado, agüentaria facão, de joelhos, nu da barriga para cima, um soldado segurando-lhe o braço direito e batendo-lhe no peito, outro segurando o braço esquerdo e batendo nas costas. Depois os presos se aproximariam, camaradas, de repente lhe afastariam as pernas. O corpo cairia na pedra negra, suja de escarros, sangue, pus e lama. O cipó de boi chiaria no ar, cortaria o lombo descoberto.”

A linguagem, portanto, é o que caracteriza não apenas a angústia da personagem, como à do próprio autor, que vivenciou na “própria carne” o tormento do cárcere. Quando escreveu esta obra, Graciliano tinha sido preso a mando do governo ditatorial de Getúlio Vargas, daí, por exemplo, às constantes menções à “água de bacalhau”, subterfúgio utilizado pela polícia getulista para torturar seus adversários políticos: “Não me matem de fome nem me dêem água de bacalhau. Eu me explico.” / “Não seria preciso me darem água de bacalhau. A garganta ardia-me, passei a língua seca nos beiços gretados. Água de bacalhau, dias de fome, noites em claro, um tipo martelando horas a fio...”/ “A garganta doía-me, os beiços colavam-se. Precisava beber água e pensava no caldo de bacalhau. Confessaria tudo, mostraria á roupa rasgada, os bilhetes, as cartas, os artigos.” / “As grades que a gente não pode tocar, tão nojentas são elas, as esteiras, as cortinas de pucumã, os muros grossos, fome, sede, caldo de bacalhau, e nesta miséria José Baía fabricando piteiras, pentes de tartaruga, objetos miúdos de casca de coco.”

O assassinato de seu rival Julião Tavares, que seu deu com uma corda que ganhara de presente do pedinte Ivo, torna-se assim o ápice da sua desesperação, o terrível instante em que Luis da Silva se sentiu verdadeiramente "superior”.

---
É isso!